Agiotagem: o que a Bíblia diz sobre o empréstimo de dinheiro a juros?

Agiotagem: o que a Bíblia diz sobre o empréstimo de dinheiro a juros?

A Bíblia versa sobre quase tudo. Ou tudo. Por mais moderno que o tema possa parecer, não importa, é possível que haja algum versículo fazendo menção a ele direta ou indiretamente. O empréstimo de dinheiro a juros, por exemplo, que não chega a ser uma novidade, mas com cada vez mais espaço nas rodas e na mídia, também está contemplado pela Escritura Sagrada. Uma ótima forma de saber mais sobre educação financeira, inclusive, é por meio dos ensinamentos do Rei Salomão.

É importante compreendermos de largada que a Bíblia não proíbe o empréstimo de dinheiro. A prática de cobrança de juros, porém, é expressamente reprovada. Além da reprovação bíblica, a agiotagem é considerada uma prática criminosa no Brasil. Segundo o art. 4º da Lei nº 1.521/51, esse é um crime contra a economia popular, com pena prevista de reclusão e multa.

Confira três versículos que tratam da agiotagem na Bíblia:

“Se fizerem empréstimo a alguém do meu povo, a algum necessitado que viva entre vocês, não cobrem juros dele; não emprestem visando a lucro” (Êxodo 22,25).

“Vocês não poderão exigir dele juros nem emprestar-lhe mantimento visando a algum lucro”
(Levítico 25,37).

“Devolvam-lhes imediatamente suas terras, suas vinhas, suas oliveiras e suas casas, e também os juros que cobraram deles, a centésima parte do dinheiro, do trigo, do vinho e do azeite” (Neemias 5,11).

Vale observar que, de acordo com o versículo extraído do livro Levítico, do Velho Testamento, a prática da agiotagem não se restringe ao dinheiro e a sua proibição também é extensiva aos alimentos. Em Neemias, por sua vez, há uma clara reprovação da usura e da tomada de bens como forma de fazer valer pagamentos.

 

Será que o demônio existe mesmo?

Endividar-se também não é cristão

Apesar de não proibir o empréstimo sem cobrança de juros, a Bíblia traz passagens categóricas contra o endividamento. Há quem passe a vida inteira devendo, que mal sai do aperto de uma dívida e já entra em outra. Ou pior: quem acumula dívidas sobre dívidas e, depois, não têm como pagá-las. E de repente, fazer dívidas pode se tornar um vício.

“A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto o amor com que vos ameis uns aos outros” (Romanos, 13,8).

O cristão que vive endividado deve colocar-se perante Deus e rezar para que ele lhe dê forças para esse vício seja abandonado. Dívidas ou empréstimos só devem surgir no caminho daqueles que honram o Senhor em caso de real necessidade e, ainda assim, considerando todas as suas possibilidades, o que se ganha e como e quando essas dívidas serão pagas, sem a subtração de necessidades básicas da família.

De Gênesis ao Apocalipse, a Bíblia tem mais de dois mil versículos que tratam sobre dinheiro e administração financeira. São ensinamentos que vão bem além de não fazer dívidas e poupar, como não ter preguiça, trabalhar honestamente, evitar gastos desnecessários, analisar despesas com cuidado, recolher devidamente os impostos e fugir do dinheiro fácil.

“Não seja como aqueles que, com um aperto de mãos, empenham-se com outros e se tornam fiadores de dívidas; Se você não tem como pagá-las, por que correr o risco de perder até a cama em que dorme?” (Provérbios 22,26-27).

O controle financeiro, portanto, é de suma importância para a vida do cristão. Afinal, tudo o que fazemos deve refletir Deus em nós. Assim sendo, não há espaço nem para o endividamento nem para o empréstimo a juros.

 “Quem toma emprestado é escravo de quem empresta”. (Provérbios 22,7)

O que você achou desse conteúdo?

Deixe seu comentário sobre o que você achou do conteúdo.

Aceito receber a newsleter do IDe+ por e-mail.

Comentários

  • Carlos Antonio
    Muito bem
  • JULIANA LUZIA SARMENTO DOS SANTOS
    Muito boa essa explicação.
  • Domicio Ribeiro da Silva
    Plena verdade este ensinamento
  • Ótimo
    Tirou todas as minhas dúvidas
  • Pedro Nhanombe
    Foi bem explicado duma forma parcial, porque os versículos aqui citados só falam do povo particular, por exemplo, o mais próximo, povo de Israel, a igreja ou nossas famílias, do meu intender para esse povo não é lícito aplicar juros. Agora podem me explicar sobre o Deuteronômio 23.20
  • José Augusto Alves
    Meus irmãos é válido lembrar que em todas estas passagens falam de emprestar juros a necessitados. Contexto.
  • Cláudia De Oliveira Pereira Rodrigues
    Muito bom !
  • Leonidas
    Achei muito importante para minha cultura,pois gosto de me organizar com minhas dívidas.
  • Vera Lucia Costa
    Achei maravilhoso ler isso ,foi um aprendizado.
  • Aminadabe Alves de matos
    Nossa vou pegar tudo isso de exemplo pois minha vida financeira não anda nada bem
  • Euclésia Ferreira
    Achei muito bom
  • Muaca
    Achei agradável
  • Celson luiz
    Intende o suficiente . Pra eu não ter que erra com o senhor. Deus
  • Valdimiro
    Gostei muito, é um comentário muito positivo eu só viciado a dívidas. Preciso de ajuda.
  • Conçuelo santos
    Muito bem explicado muito bem colocado!
  • Nilvanha Sousa Silva
    Excelente!!!Bem explicativo...estava precisando dessa leitura...
  • Amei a explicação Deus abençoe sua vida em nome de Jesus Shalom
  • Dielso Simão Costa
    Muito importante amai

Cadastre-se

Cadastre-se e tenha acesso
a conteúdos exclusivos.

Cadastre-se

Associe-se

Ao fazer parte da Associação Evangelizar É Preciso, você ajuda a transformar a vida de milhares de pessoas.

Clique aqui

NEWSLETTER

IDe+ e você: sempre juntos!

Assine nossa newsletter, receba nossos conteúdos e fique por dentro
de todas as novidades.